De uma maneira geral, a economia brasileira não está em seus melhores dias e, por consequência, quem mais sofre com isso é a camada da população composta por famílias com nível de renda mais baixo, em face das altas taxas inflacionárias, ao que se junta, infelizmente, a queda do nível de emprego, à luz da diminuição do ritmo da produção nacional.

Para agravar ainda mais esse cenário, há ainda a atazanar o nosso povo os graves problemas nas áreas da saúde, educação, transporte e segurança.

Um dia, haveremos de superar esses obstáculos!

De nossa parte, aqui no Programa Providência, continuamos a atuar com o instrumento do microcrédito produtivo orientado, por entendermos ser esse um dos instrumentos capazes de colaborar em favor dessa virada, que virá!, é o que esperamos. Na nossa forma de ver, o apoio financeiro somado à oferta de cursos de capacitação que viabilizamos aos beneficiários da nossa ação têm o condão de transformar o cidadão e a cidadã trabalhadora em verdadeiro agente econômico, participante do desenvolvimento do País, com o resultado do seu trabalho, livrando-se de ações puramente assistencialistas, que não raro levam ao ócio e suas sequelas.

Não custa repetir: o nosso microcrédito é destinado aos mais desassistidos dos microempreendedores, residentes em áreas mais deprimidas do Distrito Federal e entorno, e que estão à margem do alcance das linhas de financiamento da maioria da rede bancária. Trata-se de uma boa luta!

Como resultado desse esforço, é importante registrar alguns fatos e exemplos, que decorrem dessa nossa ação, por meio dos nossos agentes de crédito que atuam nas comunidades-alvo do Programa. Desta feita, vale citar os seguintes casos:

Em Águas Lindas – GO

providen1

O Senhor Antônio Cipriano Costa Ferraz é beneficiário da assistência do Programa Providência desde 2009. Ele dispunha de uma pequena loja na frente da sua casa, onde vendia móveis usados e produtos de reciclagem, mas não tinha muitas perspectivas de crescimento do seu negócio. Naquele ano, fruto do contato com alguns amigos, tomou conhecimento do mecanismo do nosso microcrédito e, enchendo-se de coragem, solicitou uma visita dos agentes de crédito que por ali atuavam. Examinado o pleito, foi-lhe concedido o primeiro empréstimo, no valor de R$ 500,00, com o que comprou novos produtos para revender e fazer girar seu capital e gerar mais renda para a família. Trabalhando bastante e contando com as renovações de seus empréstimos, resolveu realizar algumas obras em sua loja, a fim de melhorá-la e ampliá-la, uma vez que o negócio prosperava. Passou a adquirir mais produtos e de melhor qualidade, para atender à demanda, que crescia. Atualmente, ele é um conhecido comerciante na cidade e já está pensando em abrir outras lojas, inclusive em locais diferentes da cidade de Aguas Lindas de Goiás. De registrar que ele já alcançou o teto do valor do nosso microcrédito (R$ 5.000,00), mas não abre mão da possibilidade das suas renovações, devido à certeza de que sempre contará com o nosso apoio, tendo em conta o seu histórico nessa relação, que é muito positivo.

No Gama – DF

providen2

A jovem Kennia da Silva Chaga trabalha com venda de bolsas femininas em sua residência, na cidade do Gama-DF. Para tanto, ela divulga seus produtos por meio de um aplicativo de celular e atua também no sistema porta-a-porta, levando os produtos até a casa da clientela. Ela, que faz suas compras em Goiânia e em São Paulo, à vista do crescimento do seu negócio, já está pensando em montar sua própria loja, como forma de ampliar sua atividade e adquirir mais estabilidade financeira.  A cliente, que tomou seu primeiro microcrédito do Programa Providência em junho de 2014, já realizou sua primeira renovação, ampliada, em face dos bons resultados alcançados, para R$ 3.000,00. Trata-se, sem dúvida de uma microeemprendedora com viés muito positivo, atestado pelos nossos agentes de crédito..

 

No Novo Gama – GO

providen3

A Senhora Maria Holanda Ribeiro Lopes, piauiense de Corrente, está no Distrito Federal desde 1989. Ela atua no mercado de confecções em geral (roupas, calçados, bolsas, bijuterias entre outros), onde montou sua loja há 12 anos no bairro Lunabel, no município do Novo Gama – GO. Ela pretende no futuro ampliar a sua loja para poder trabalhar com outros produtos. A loja é bem localizada, conta com produtos de qualidade e tem vários clientes fidelizados. O seu histórico no Programa Providência vem desde abril de 2013, quando, em grupo de quatro amigas, tomou seu primeiro financiamento, no valor de R$ 1.000,00, com o mecanismo do aval solidário. Posteriormente, dissociada do grupo, mas com retrospecto bastante positivo na condução do seu negócio, passou a recorrer ao sistema do empréstimo individual, tendo já renovado e ampliado o seu limite para R$ 2.000,00, fruto do seu empenho e competência, reconhecidos pelos nossos agentes de crédito.

Recanto das Emas –  DF

providen4

O primeiro empréstimo concedido pelo Programa Providência à Senhora Lilian de Freitas, no valor de R$ 2.000,00, foi destinado à compra de jogos de mesa e de matéria-prima utilizados num carrinho de cachorro-quente instalado em um estacionamento da cidade do Recanto das Emas-DF. O seu empreendimento estava indo muito bem e era bem lucrativo, mas dava muito trabalho, pois todos os dias tinha que levar o carrinho de cachorro-quente para o estacionamento, montar cobertura de lona, transportar e arrumar mesas e cadeiras – e, quando chovia, o trabalho era dobrado. Diante desse quadro, ela e seu esposo pararam para pensar, decidiram vender o carrinho e, com o dinheiro apurado, montaram uma lanchonete em sua residência, onde, com mais tranquilidade, vendem todo tipo de lanche, inclusive deliciosos pasteis e caldo de cana. O novo empreendimento está indo de vento-em-popa, o que lhe permitiu, inclusive, antecipar o pagamento de três parcelas de seu empréstimo. Detalhe importante: a Sra. Lilian, sabedora das vantagens de regularizar seu negócio já foi ao SEBRAE e fez o registro do seu CNPJ como MEI – Microempreendedora Individual.

Aproveitando a oportunidade, vale lembrar que para ser classificada como MEI, a pessoa tem que trabalhar por conta própria e o faturamento anual máximo do negócio é de R$ 60.000,00. E não pode ter participação em outra empresa como sócio ou titular. Por outro lado, pode ter um empregado, devidamente contratado, com remuneração mínima de um salário mínimo ou o piso da categoria, contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico do País. Ademais, pode emitir Notas Fiscais, e, com o CNPJ, pode ter facilitado o processo de abertura de conta bancária e de recorrer a financiamentos. Enquadrado no Simples Nacional, fica isento de alguns tributos federais (Imposto de Renda, COFINS, PIS, IPI, CSLL) e, recolhendo mensalmente um valor relativamente pequeno à Previdência Social e ICMS ou ISS, passa a ter acesso a alguns benefícios, a exemplo do auxílio maternidade, auxílio doença e aposentadoria.