Educação é a palavra-chave para a valorização das pessoas e para o desenvolvimento de qualquer país, por pavimentar o caminho na direção do tão desejado desmonte das desigualdades sociais ao atuar no processo da redução do grau de dependência e subserviência das camadas menos favorecidas da nossa população.

Estes são os motivos básicos pelos quais o Programa Providência tem se dedicado, desde a sua fundação, à realização de atividades que visem fomentar a emancipação, a inclusão e a afirmação das pessoas, em especial por meio de sua valorização como agente produtivo, capaz de gerar renda e melhor qualidade de vida para si e sua família.

Nessa linha de pensamento e ação, lançou seu projeto-piloto de educação financeira, denominado “Não sou Gabriela”, por entender que se trata de uma ferramenta essencial para empoderar as mulheres, em especial empreendedoras residentes em comunidades carentes, principalmente quando se leva em conta as agruras do passado, do presente e a incerteza sobre o seu futuro.

Elaborado por voluntários e colaboradores, com destaque para o Max Coelho, o Eduardo Ferreira e a Denise Carvalho, contando com a mobilização da agente de crédito do Programa Providência, a Eronilde Pereira o projeto, que teve a sua primeira turma localizada na comunidade do Lago Azul (GO), no entorno do Distrito Federal, foi iniciado em novembro do ano passado e se baseia em ações de diagnóstico e sensibilização de mulheres residentes em áreas vulneráveis sobre a importância do uso responsável de serviços financeiros para a proteção atual e futura de seu negócio e de sua família. Concluída essa etapa, serão agora realizados a reavaliação global do projeto e os ajustes que se fazem necessários para o seu aperfeiçoamento, após o que deverá ser dado início ao processo de sua disseminação para outras comunidades.

A Direção do Programa Providência aproveita a oportunidade para expressar sua satisfação em ver concluída essa etapa do Projeto, com êxito, agradecer e registrar seus parabéns a todos que participaram desse gratificante e importante trabalho.

A título informativo, vale registrar alguns dados e resultados apurados antes, durante e ao fim do projeto (curso):

  • Endividamento: nenhuma das alunas encontra-se superendividada. Antes do curso, a metade estava nessa situação;
  • Poupança: todas as alunas adquiriram o hábito de poupar, tendo em vista, cada uma, a sua meta, a realização do seu sonho. No início do curso, apenas uma mantinha essa prática;
  • Planejamento: todas as alunas passaram a fazer algum tipo de controle das entradas e saídas de dinheiro. Anteriormente, apenas quatro delas diziam que planejavam, ainda que precariamente;
  • Consumo: a grande maioria das alunas (cerca de 80% delas) passou a gastar menos do que ganha. No início do curso, metade do número das alunas dizia que gastava mais do que ganhava;
  • Prevenção e proteção: nenhuma das alunas pensava em formalizar sua atividade. Ao final do curso, a maioria (70%) disse que pretende se formalizar;
  • Satisfação: todas as alunas registraram sua aprovação ao projeto (curso);
  • Participação e evasão: o projeto teve início com quinze alunas, tendo ocorrido sete desistências ao longo do curso. As circunstâncias da realidade atual que caracteriza o público-alvo, provocadas basicamente por elevada instabilidade econômica, como conseguir/recuperar trabalho/emprego, montar um novo negócio, mudança de endereço e dificuldade com quem deixar seus filhos menores, foram identificadas como os principais motivos para a ocorrência das evasões. http://programaprovidencia.org.br/2225-2/