E os problemas de memória?

Com as mudanças do envelhecimento ocorrem também as queixas sobre a memória. Esquecer onde colocou algo, panela acesa no fogão, compromissos, guardar coisas na geladeira que não deviam estar ali, tudo isso e muito mais deve fazer parte do cotidiano de muitas pessoas.

Já falamos aqui do desgaste natural das células e das mudanças em decorrência do envelhecimento. Mas e a memória, o que tem a ver com isso? O desgaste das células do cérebro acompanham as mudanças de todo o corpo, e naturalmente o potencial destas células se torna diminuído, porém, há outros fatores bastante importantes na compreensão do que é o esquecimento. A vivência de uma situação estressante, a correria do dia a dia, as várias atividades, a insônia, a alimentação, as preocupações excessivas e as distrações em geral, são fatores importantes no que concerne à atividade cerebral e à constituição das memórias. Muitas vezes as pessoas sentem-se esquecidas e por isso atribuem-se acometimento de problemas com a memória, como se fosse algo de natureza patológica. Não deixa de ser algo com que se preocupar, mas é necessário olhar a própria vida, verificar se os fatores acima citados não estão tomando lugar excessivo dentro da própria realidade. Queremos dizer com tudo isso que, em boa parte das vezes, o problema não é a memória em si, e sim a atenção perturbada ou a falta de atenção a aspectos do cotidiano, que pode ser devida a um dos fatores citados, ou a alguns deles em conjunto. Procure estimular-se, a fim de manter mais atenção a todos os seus atos do cotidiano, e verifique as diferenças nas situações vividas. Agora, caso perceba que não se enquadra no rol desses fatores comuns, e que de fato a sua dificuldade não é a falta de atenção, procurar a ajuda de um especialista é um dever para consigo mesmo e sua saúde.

Messias Rodrigues

Kelly Alves

 Terapeutas Ocupacionais